fotos de arquivo

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Poesia na chuva


Entre os dedos saboreamos dias e noites
Que nos chegam quentes ou frios
Algumas vezes as tempestades alcançam as areias
E nossas veias amargam um sabor sem sabor algum
Quando as chuvas cessam deixam ver a algazarra
Que a natureza não previa
Árvores caídas e raízes naufragadas na lama
Entre restos de resíduos humanos
O lixo não nomeável vai e vem
A bordo destas letras que o alcançam
No campo de mãos abertas
Sentir a natureza transbordante
Sorver com a boca o sofrimento
Que pode ser de água ou de fogo em demasia

                                                                                 S.R.


Rio de Janeiro, 21 de junho de 2017.

domingo, 18 de junho de 2017

Letra Aberta de Herberto Helder

Leio Letra Aberta de Herberto Helder. Porto Editora, 2015
Um livro comprado em Lisboa no bairro do Chiado. 
Os versos são frutos de “uma escolha realizada pela viúva do poeta”, Olga Lima, no momento do primeiro aniversário de sua morte.  
Cito:

a morte é sempre estranha:
  morre-se todos os dias
  e enquanto se morre pede-se uma esmola para matar a fome de outra vida,”
                                                                                                                              (p.25)

Alguns poemas manuscritos comparecem ao lado dos poemas impressos. Sem títulos.

“que nunca por nunca estas linhas tivessem um ar acabado,
  quisera apenas que uma urgência das coisas
  as reclamasse, uma veemência,
  uma potência das coisas,
  e aí acabasse a sua breve música"
                                                      (p.55)

Os versos correm fluidos.
E os leitores, nomeados em algum momento “leitores inimigos”, nós podemos ser atingidos por um “quente choro” com as perguntas, inúmeras, assim como as afirmações inesperadas.

um nome que me digas ou me não digas duas vezes
 em dois abismos de sono, esse nome
 faz-se carne no mais âmago de mim mesmo,
 esse nome trabalha-me,
 é igual ao segredo: pão,"                                         
                                               (p.39)

Aqui, ouso dizer: um livro imperdível, especialmente aos poetas!
Sim, um trabalho com a letra em linhas verticais, en abîme,
com o pensamento maduro do poeta; o que nos dá ânimo, alegria, e sentimento de gratidão.


                                                                                              S.R.

Rio, 18.06.2017

sábado, 17 de junho de 2017

A letra da Água de Luciana Brandão Carreira

Recebo pelo correio no final do dia,
ontem, embrulhado em papel branco.
Capa dura azul. Poesia.
Editora Paka-Tatu.
Belém do Pará, 2017.

Belo em muitos sentidos
o livro de Luciana entusiasma.
Em goles longos ou curtos
vou sorvendo-o "no ventre da boca".
"Escuta"

:
"ouço a língua da morte cantar a escrita viva
              carne que funda a palavra."
Em "partitura"
"Mais um espasmo no meu ventre"

que recolhe com sede os versos de "sete sementes de romã"
"Vida em estado e rota de colisão com o Tempo.
 Não adianta desacelerar.
 No cio do poema plantamos sete sementes de amanhã."
........ ...............
"Fizemos sangrar o prefácio dos tempos.
Colhemos o fruto dormido no canto da boca.
Partilhamos as bocas.
Cantamos o ramo - romã
amor."


Parabéns, Luciana!


Rio de Janeiro, 17.06.2017

segunda-feira, 12 de junho de 2017

"Navegar é preciso, viver não é preciso"




(fotos de José Eduardo Barros: Évora, Estremoz e Monsaraz)



No século I a.c., o general romano Pompeu, encorajava marinheiros receosos, inaugurando a frase “Navigare necesse, vivere non est necesse.”
Corria o século XIV e o poeta italiano Petrarca transformava a expressão para “Navegar é preciso, viver não é preciso.”
“Quero para mim o espírito dessa frase”, escreveu depois Fernando Pessoa, confinando o seu sentido de vida à criação.

(retirado do site da Universidade de Coimbra: www.uc.pt/navegar/

...................

Hoje, a frase me habita. E, relembro que era sempre repetida por meu pai, ao longo da vida, em momentos distintos. 
Viva!
Viajar é preciso. Criar é preciso.
Experimentar é preciso!
É preciso navegar...

Viver, como já afirmaram outros, não é tão preciso assim...


Rio de Janeiro, 12.06.2017 

sábado, 10 de junho de 2017

Flores secas na beira da estrada




                                        Delicadezas do Alentejo. Portugal, primavera de 2017

Colagem portuguesa e fragmento de Os Lusíadas de Camões



                                          Fragmento de Os Lusíadas de Luís de Camões, Porto
                                          editora, 2014


                                          Canto II

                                           13

                                           "Aqui foram de noite agasalhados,
                                            Com todo bom e honesto tratamento,
                                            Os dous Cristãos, não vendo que enganados
                                            Os tinha o falso e santo fingimento,
                                            Mas, assi como os raios espalhados
                                            Do Sol foram no mundo, e num momento
                                            Apareceu no rúbido Horizonte
                                            Na moça de Titão a roxa fronte,
                                           
                                            (...)

                                            18
                                         
                                            As âncoras tenaces vão levando,
                                            Com a náutica grita costumada;
                                            Da proa as velas sós ao vento dando,
                                            Inclinam pera a barra abalizada.
                                            Mas a linda Ericina, que guardando
                                            Andava sempre a gente assinalada,
                                            Vendo a cilada grande e tão secreta,
                                            Voa do Céu ao Mar como hûa seta.
                                     
                                            (...)

                                            31
                         
                                            Bem nos mostra a Divina Providência
                                            Destes portos a pouca segurança;
                                            Bem claro temos visto na aparência
                                            Que era enganada a nossa confiança.
                                            Mas pois saber humano nem prudência
                                            Enganos tão fingidos não alcança,
                                            Ó Tu, Guarda Divina, tem cuidado
                                            De quem sem Ti não pode ser guardado!"

                                         
                                           Notas:
                                          13
                                          Santo fingimento: dissimulação por meio de atitude piedosa.
                                          Moça de Titão = Aurora, filha de Titão e da Terra, que presidia
                                          ao nascimento do dia.

                                          18
                                          Náutica grita =  vozearia dos homens do mar.
                                          Ericina = Vénus +, que tinha um templo no cume do monte
                                          Erix, na Sicília.

                                          31
                                          Providência: "Ação pela qual Deus conduz os acontecimento
                                          e as criaturas para os fins previstos pela Sua sabedoria e a
                                          Sua bondade".

                                              (p.96, 97, 100)

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva

                                         No detalhe, obra de Vieira da Silva em Lisboa, 2017

Um silencio que fala...




                                            Fotos feitas por mim em Portugal

                                           Cromeleque:
                                          repito este nome enigmático,
                                          e experimento  olhar as pedras
                                          enterradas no chão do Alentejo.
                                          Pedras grossas contornam espaços amplus. 
                                          A terra firma a história de antepassados.

                                          Uma e outra vez, o olhar retorna.  

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Detalhes de Portugal






                                          Fotos feitas por mim no Alentejo

                                                Alentejo,
                                          O vento respira o ar seco
                                          e deixa passar o deserto.

                                           Não há insetos ao redor.
                                           Há cegonhas dependuradas
                                           em ninhos estranhos.
                                           Persistem ao longo dos postes
                                           insanos que seguram
                                           fios tristes.

                                           (...)

                                           As mansas cegonhas de pernas altas
                                           e bicos espaciais
                                           moram em andares diferentes
                                           de um mesmo poste de energia
                                           
                                           Costuram no horizonte o tempo
                                           da criação !                                                        
                                        
                                            Em junho de 2017




Ruas de Lisboa, primavera de 2017