fotos de arquivo

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Escrever, deixar a mão correr

Vivemos tempos muito difíceis! E já é quase Carnaval, outra vez, na cidade do Rio de Janeiro.
Os jovens, alguns jovens sonham com a folia do Carnaval em meio às impensáveis notícias violentas que circulam e assustam. Os noticiários no Brasil começam a dar lugar ao samba, e abafam o horror que vivemos buscando o leve, às vésperas da Festa que já fez sonhar em outros tempos.
Tempos novos virão depois das crises que revolvem as camadas de nossa sociedade até aqui voltadas, principalmente, para o consumo e os ideais de consumo com o luxo dando o norte e apontando alguns supérfluos.
A origem do termo em latim se escreve superfluu. E na raiz está guardada a palavra “super” trazendo o sinal do que ultrapassa, e logo agrega o desnecessário. É interessante que em italiano, espanhol e francês o vocábulo se escreve quase igual: superfluo, e em inglês superflu.
Santo Agostinho escreveu: “O supérfluo dos ricos é propriedade dos pobres.”
Assim, introduzimos um corte, aqui no texto, deixando espaço ao pensamento.
Pensem...
Carnaval e álcool estão somados na história dos homens.
Mas, nunca as jovens mulheres beberam tanto. Atenção, pois nosso organismo é distinto do organismo dos homens. Metabolizamos o álcool de forma mais delicada e perigosa. Possuímos um corpo que carrega a nobreza do feminino em estado puro. Digo: não precisamos fazer esforço para isto.
Meninas, jovens mulheres pensem... E experimentem brincar o carnaval à base de água de coco. Por que não?!
Aproveitem as fantasias nas delícias do corpo. No imaginário brinquem!
As raízes desta festa podem vibrar sem os excessos desnecessários.



Rio de Janeiro, 19.02.2017

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Homenagem ao escritor Raduan Nassar

                                                                          para Raduan Nassar


a mão que eu agarrava
não tinha verbo
não tinha nada
era um pássaro morto

sustentava-se no milagre
de um corpo imerso      
no sono




(poema escrito em 2001 e publicado, pela primeira vez, em
2002 no livro Pó de  borboleta)

Parabéns pelo Prêmio Camões e belo inteligente discurso!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Memórias: momentos distintos

                                         Na Normandia em 2015 com estudiosos (franceses e
                                         japoneses) de Francis Ponge durante o Colóquio de
                                         Cerisy                                        
                                      No lançamento de Leminski, guerreiro da linguagem
                                      com o jornalista e poeta Paulinho Assunção. Belo
                                     Horizonte, 2003
                                      Ouvindo os poemas de José Paulo Moreira da Fonseca
                                       na editora UAPê, Rio de Janeiro 1995
                                       Com poetas da América Latina em Rosário, Argentina
                                       em 2005 durante o Festival Internacional de Poesia

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Poema da manhã

Prainha

As marés e o vento    
as pedras molhadas de sal.
A mão do homem cresce:
a natureza sorri
Vozes antigas e lentas escuto
Palpita o peito de esperança 
Rios e lagos alcançam a memória
Escuto pássaros
A chuva das lágrimas
exige construção e passa
Palavras abraçam o texto
Circuitos novos

As marés e o vento
As pedras molhadas de sal
Areias brancas e mornas
sob meus pés de menina
Escuto o sino da igreja
Nuances de chuva fina
Respinga lama na varanda da frente
Vapor d’água
Escuto vozes antigas e novas
O mar bate nas areias de veios azuis
e as raízes das castanheiras
pastam entre o vento e os barcos

Verão carioca, fevereiro de 2017



Políticos acéfalos

Vivemos e respiramos um tempo de políticas sem pensamento.

Os homens que estão em posição de poder e decisão pelo nosso país há muitas décadas, quase todos eles respiram e decidem em causa própria ou atraídos por fatores exteriores aos direitos humanos e aos princípios que versam pelo bem de nossa humanidade. 
Difícil governar sem perceber as necessidades urgentes de nosso povo. Digo necessidades básicas e não apenas econômicas: educação e escola para todos são necessidades básicas!
Não estou compartindo idéias à toa. Apenas, somo a minha voz a outras tantas... e a outras fronteiras que faz tempo dão lugar à educação e aos direitos humanos.

Precisamos varrer do mapa da política de nosso país estes homens indecentes, que só pensam em si. 
Manobram a olhos vistos sempre em prol de si mesmos e de seus pares, homens sem pensamento; uma verdadeira corja !


Rio de Janeiro, 10 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Café Letrado Mineiro - Diamantina, M.G

                                               Silviano Santiago, professor e escritor,
                                               nosso convidado no Café Letrado de Diamantina
                                               durante o 34 Festival de Inverno da UFMG, 2002
                                             
                                                 Pedro Garcia, professor e poeta, coordenou
                                                 junto comigo estes encontros literários que
                                                 aconteceram na charmosa livraria Espaço B
                                                   

                                                  Dois outros momentos do Café letrado em
                                                  Diamantina:

                                           Com os escritores mineiros Luis Giffoni e
                                           Ruth Silviano Brandão

                                                                                 
 Com os poetas cariocas: Luis Olavo Fontes e o jovem talentoso Ericson Pires (a quem dedico esta recordação)!                                    
                                       







                                          Fotos de José Eduardo Barros (arquivo pessoal).

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Com amigos e poetas de nosso tempo

Com Augusto Bastos, parceiro no jornal Poesia Viva e no Café
Letrado da livraria da rua Dias Ferreira; a ContraCapa
                                                      Régis Bonvicino, Rio de Janeiro 2016
                                                        Henri Deluy, Jardim Botânico do RJ 2007
                                                  Laure Limongi, Paris 2009
Leda Hühne e Léa Madureira, livraria Travessa Ipanema 2010
                                         José Paulo Moreira da Fonseca, pintor e poeta, em seu
                                         ateliê na década de noventa
                                         Pedro Pellegrino e Pedro Garcia em momento de
                                         leitura de poesia no UAPê na Barra, RJ

                                         PS: relacionamentos que se fizeram ou se firmaram
                                         a partir do trabalho com o jornal Poesia Viva  ou com
                                         os encontros Café Letrado, em diferentes momentos da vida.