fotos de arquivo

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Revista Polichinello - n. 17

Clique no link abaixo pra ler os textos publicados na interessante revista Polichinello:

http://revistapolichinello.wixsite.com/poli17




E aqui o meu texto ensaístico Traduzir testemunhar 

http://media.wix.com/ugd/597395_53be4d03c52f45b8a8d5b14744aacaee.pdf

terça-feira, 23 de agosto de 2016

ALGUNS ÂNGULOS DA FUNDAÇÃO PEGGY GUGGENHEIM - VENEZA






ENDEREÇO DO SITE 





Fotos de José Eduardo Barros realizadas no espaço externo da Fundação
em abril de 2015.

Lançamentos hoje na Travessa

   Na livraria Travessa de Botafogo, hoje, o belo livro de Márcia Rambourg,
a poeta e tradutora que vive na França onde leciona na cidade de Tours!

Cito parte de e-mail recebido da autora:
Autografo meu novo livro Mater ex-crita, pela Editora Oficina Raquel, com prefácio da escritora Solange Rebuzzi e capa da artista plástica francesa Sylvie Lobato, em fins de agosto, no Rio de Janeiro. 


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Olimpíada brasileira no Rio de Janeiro


Corremos Torcemos Suamos
Vibramos muito!
Respiramos! Ufa!

It's finished
Aprendemos e demos lições!
Algumas inesperadas

Agradecemos aos nossos atletas e aos outros
- de tantas línguas -
que vieram e somaram!

Sorrisos e lágrimas
brotaram de expressões densas
banhando nossas águas

Pátria amada "Salve! Salve!"

O mundo ficou colorido
Esquecemos (por um tempo)
as tragédias humanas

Triste política
ici et 
là bas

No novelo ainda
a se desenrolar
as rendeiras teceram fios

Et maintenant...
a nossa música
ritmada ecoa ao largo

"tu me ensina a fazer renda/
qu'eu te ensino a namorá"
Nossos mares

têm mais vida!
"Nossa vida em teu seio
mais amores"!


 Rio de Janeiro, 22.08.2016

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Olimpíadas no Rio de Janeiro (5)

Entre verdade e ficção encontramos a mentira criada por atletas olímpicos americanos:

o grupo de nadadores "aprontou" feio.

Uma lástima!

Aguardamos os pedidos de desculpas, pois brincadeira tem limite!!!

domingo, 14 de agosto de 2016

Olimpíadas no Rio de Janeiro (4)

http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2016/08/14/ryan-lochte-confirma-que-teve-dinheiro-e-carteira-roubados-no-rio.htm
:

"Eles sacaram as armas e disseram aos outros nadadores para deitarem no chão - e eles deitaram. Eu me recusei. Eu pensei 'não fizemos nada errado, então não vou me deitar no chão'", relatou Lotche aos meios de comunicação dos EUA.

(matéria publicada no UOL)

Olimpíadas no Rio de Janeiro (3)

Aquele abraço aos argentinos!

E VIVA Del Potro!!!

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Escrever a mão


Cavar a letra no branco da página. Desenhar suas pernas. Modelar o corpo da letra no contorno 
da escrita. Subir e descer e, a cada vez, como se fosse a busca da intimidade mais guardada, 
aquela desvendada na infância, trabalhar com esforço e esmero. 
Quando desenhei minhas primeiras letras no papel, acompanhava-me uma alegria
genuína.   A mão forçava a delicadeza. Os traços subiam e desciam obedecendo algum ideal procurado
fora da margem do papel. 
A letra do outro? Ou a letra imaginada perfeita? Pouco importa. A vontade e o entusiasmo 
carregavam a marca da repetição. Cadernos de caligrafia. Frases prontas e ligeiras.
As primeiras:
Vivi viu a uva.
Vogais e consoantes repetidas (a consoante V soando forte ata as vogais em voo; asa sonora!)

A folha nascida da árvore recebe a mão pequena da menina.
Escrita a mão. Suave e desejada. Raios de luz ao vento lançadas.
Mesmo quando escrevo nestas teclas negras, agora, ainda revejo os desenhos 
e as  bordas das letras daquele tempo, que podem vir a surgir no branco da tela.
As letras têm raízes!


Escrevi em: 25 de fevereiro de 2013.