domingo, 21 de fevereiro de 2010

Anotações de viagem feitas em 2005

Au theâtre:


A cena do foyer no teatro Châtelet é ocupada por um piano de calda e duas cadeiras vazias. Há também uma máquina fotográfica antiga montada em cima de um tripé.

As grandes portas abrem a varanda.

São mais de 18 horas.

Na claridade do sol a primavera sopra e se estende.

Paris, maio de 2005.

- C’est jolie l’ange dorée qui est là bas! (escuto na exclamação da francesa sentada bem próximo a mim).

Fiquei sabendo, na hora de comprar o bilhete (12 euros) que,
la pianiste est tombée dans les scaliers/ a pianista caiu nas escadas.

De fato, a pianista havia caído antes do início do espetáculo. No entanto, ela não só tocou piano como fez a peça, pois era a personagem Clara Schumann.

O ator, Jean-Marc Barr, já bastante conhecido do público francês, realizou um trabalho forte no papel de Robert Schumann.

O texto foi transcrito a partir das cartas trocadas entre Schumann e sua esposa Clara. Um texto poético denso escrito por Irina Decermic.
Na platéia consigo reconhecer a atriz francesa Elodie Bouchet.

Sentei na primeira fila, onde havia lugar.
Ça va!

(Respiro junto com as pontuações do texto).



Acrescento algo que li sobre a história deste teatro.
Des compositeurs tels que Tchaïkovski, Grieg, Richard Strauss ou Debussy viennent diriger leurs propres œuvres au théâtre du Châtelet. D'autres orchestres sont aussi invités. En 1900, Gustav Mahler dirige son premier concert en France à la tête de l'Orchestre philharmonique de Vienne.
:
Compositores tais como Tchaïkovski, Grieg, Richard Strauss ou Debussy dirigem suas próprias obras no teatro Châtelet. Outras orquestras são convidadas também. Em 1900, Gustav Mahler dirige seu primeiro concerto na França à frente da Orquestra filarmônica de Viena.

Ps:
Procurar ler a correspondência de Clara e Robert Schumann depois.

Nenhum comentário:

Postar um comentário