fotos de arquivo

sábado, 30 de abril de 2011

"La chèvre" / "A cabra" de Francis Ponge (fragmento)



Ces belles aux longs yeux, poilues comme des bêtes, belles à la fois et butées – ou, pour mieux dire, belzébuthées – quand elles bêlent, de quoi se plaignent-elles ? de quel tourment, quel tracas?

Comme les vieux célibataires elles aiment le papier-journal, le tabac.

Et sans doute faut-il parler de corde à propos de chèvres, et même – quels tiraillements ! quelle douce obstination saccadée! – de corde usée jusqu’à la corde, et peut-être de mèche de fouet.

Cette barbiche, cet accent grave...

Elles obsèdent les rochers.



Par une inflexion toute naturelle, psalmodiant dès lors quelque peu – et tirant nous aussi un peu trop sur la corde, peut-être, pour saisir l’occasion verbale par les cheveux – donnons, le menton haut, à entendre que chèvre, non loin de cheval, mais féminine à l’accent grave, n’en est qu’une modification modulée, qui ne cavale ni ne dévale mais grimpe plutôt, par sa dernière syllabe, ces roches abruptes, jusqu’à l’aire d’envol, au nid en suspension de la muette.


*****


Aquelas belas de olhos longos, peludas como animais, belas e ao mesmo tempo obstinadas – ou, melhor dizendo, belzebutadas[1]quando elas balem, de que se lamentam? de qual tormento, qual confusão?

Como os velhos celibatários elas amam o papel-jornal, o fumo.

E sem dúvida é preciso falar de corda a respeito de cabras, e até mesmo – quantos puxões! que doce obstinação aos solavancos! – de corda usada até o fim, e talvez da mecha do chicote.

Aquela barbicha, aquele acento grave...

Elas obsedam os rochedos.



Por uma inflexão natural, salmodiando desde então um pouco – e nós também esticando demais a corda, talvez, para agarrar a ocasião verbal pelos cabelos – damos, com o queixo erguido, a entender que chèvre/cabra, não longe de cheval/cavalo, mas feminina com o acento grave, não é dele senão uma modificação modulada, que não galopa nem resvala mas antes escala de preferência, pela última sílaba, as rochas abruptas, até a área de um vôo, ao ninho em suspensão da (letra) muda.[2]


[1] Para algumas imagens não se encontra equivalente em português. “Belzébuthées”, por exemplo, pode ser lido também como belzébuth + butées, ou seja, uma palavra valise que carrega mais de um significado. Optamos por manter a sonoridade e deixar o sentido vazio. Embora, saibamos que o poeta buscava algo próximo da palavra “endiabrada(s)”, ou melhor, belzebu + obstinadas.
[2] Em português, a escolha foi feita buscando manter o sentido no verso trabalhado pelo poeta graficamente. Onde podemos ler “ao ninho em suspensão da letra muda”, podemos ler também, no jogo da linguagem, um possível vôo da gaivota, que em francês se escreve mouette.  E, então, abrimos uma outra possibilidade de leitura no texto-objeu. Prioritariamente, damos lugar a vogal muda “e” da palavra chèvre, lembrando que chèvre comporta uma sílaba final na qual o r, (este r que fica no ar), precede o “e” suspenso. Enquanto leitores, nós nos sentimos favorecidos na compreensão de um aspecto do trabalho que o poeta experimentou na escrita destes versos. No Littré, encontramos: Muet, muette – “Termo da gramática, letra muda, toda letra que não se pronuncia”. Acesso em: 19.01.2008. No francêsmuette” pela sonoridade leva a “mouette”, ou seja, “mudaleva a “gaivota”, com a mudança de sentido da palavra se fazendo apenas com o acréscimo de uma letra. 

quarta-feira, 27 de abril de 2011

NA LÍNGUA MATERNA

No dia 10 de julho de 2010 caminhei pelas ruas de minha cidade. Procurei um local para um café. E escrevi em português do Brasil.




1.

Imagine a solidão de um estrangeiro.

Um árabe. Um chinês.

Um norueguês. Qualquer um.

Um país. Um lugar. Qualquer.

Os olhos. As mãos. Um café.

Um canadense.

Um alemão. Um.



Qualquer lugar.

(... e aqui não se fala inglês!)



2.

Um árabe procura um café. Está tudo fechado.

Um alemão deseja um interlocutor.

A francesa se queixa do calor.

Palpitação.

E o norueguês não encontra o caminho de casa.

Miséria.

As praias estão poluídas.

O diálogo não se faz,

embora a mímica ajude.

Copa do mundo? Onde? Quando?

Começou. Vai começar. Acabou.



 
Sou obrigada a pensar muitas coisas.

Talvez, a hospitalidade possa ser o fruto da resistência!



3.

Mês de julho. Final da Copa.

Quero crer que o futebol importa

para além das vaidades, dos palavrões e da violência.

Chutar. Pisar. Vocação sórdida.

Mas já será tarde demais?


Nenhum oceano a ver,

apenas um mar negro de óleo!

Pássaros enlameados:

negro petróleo.

No movimento do tempo

não vejo mais nada claro.

Em solidão... os homens.

Qualquer um.




sábado, 23 de abril de 2011

Na língua materna

                                 

Em duas vozes:

- Eu falo português. Algumas vezes falo francês. Experimento falar espanhol. E gosto do som que sai de minha boca quando falo italiano. Meus avós paternos eram filhos de italianos. Mas sou brasileira e falo português do Brasil. Gosto da palavra solilóquio. E me interesso pelo som das palavras como se fossem notas musicais. A palavra arrivederci me faz sorrir.

- O quê?

- Sim, e fico confusa com a palavra CIAO, tchau.

- Ah! Mas você não pode traduzir isso. Algumas vezes é preciso entrar na língua, entrar na língua do outro.

- Para acontecer algo assim é preciso viver o esquecimento. Ou melhor, é preciso tempo. É difícil. É impossível. Para que isso aconteça você deve deixar a língua materna.

  



Rio, 2 de fevereiro de 2010. Depois de ter lido Olivia Rosenthal. E na experiência de tradução de poemas de Francis Ponge. No intervalo de uma língua a outra. No abismo dos significantes intraduzíveis.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Historinha infantil: Formigueiro em festa

                                                        Ilustrações: Ana Devesa


                                                                   para
                                                                          Clarisse
                                                                          e Pedro




         1, 2, 3   4

              1, 2, 3   4



e as formiguinhas dançavam

            pra lá lá     lá

            e

            pra cá


com pés de rock

           rebolando

           sem parar


as formigas redondinhas

            riam

            dos próprios pés


afinal,
eram tantos ...


                           uma atrás da outra

                           fazendo voltas

                           cantarolavam e dançavam

                     *
                                  *
         *                      *
      *                      *
*


o grande salão

oferecia

o ritmo

de festa

                                      


                                            sem parar

                                            assim como
                                            trabalhavam

                                            as formiguinhas dançavam



                                            a mesa farta

                                            a festa em fogo

                                            folhas verdes


                                            milhares de pratos

                                            exóticos


samambaias

mangueira em flor

jambeiro do Ceilão


                                            as frutas

                                            mastigadas

                                            no ritmo

                                            da tônica

as formiguinhas
bebiam
água de coco               á ô
e caldo de cana            a a


servidos com canudinhos
(longas folhas capim limão)


A festa crescia
sem temor


o formigueiro ardia
de alegria


                                            ****************
                                            os muitos pés batiam
                                            terra firme
                                            do chão onde
                                           pisavam


Era primavera!

logo logo
seria mais uma vez
verão  


                   ``````````````````````````
````````````````````````````````````````````
````````````````````````````````
e as chuvas chegariam


                                            A festa é agora
                                            depois da colheita

mas
o risco da chuva
chega arriscando tudo
                                                /////

                                                     /////

                                                             /////

                                                                      com seu brilho-energia



O formigão gosta de contar:

na última chuva
as formigas precisaram
esconder-se nos troncos
das árvores altas

pois as águas fizeram
o chão desaparecer


Depois
o calor se
                            arrastou

as formiguinhas juntinhas-em-filas-longas
recolheram o que sobrou:
madeiras, folhinhas

cada uma trabalhando na tarefa
muda
e
antenada

                                           
                                              No outono
                                             tudo outra vez
                                             em ciclos de naturaleza


Começar de novo
Cavar cavar
os muitos túneis



no fundo da terra

                                               o formigueiro assim
                                               crescia crescia


                            Um inverno quentinho
                                                 ofertaria







                                                - Agora é a festa
                                                 ao pé da árvore rosa:
                                                 o flamboyant

As ********************* formiguinhas 
saltitam
                                                                    seu ritmo
                                                                     rock and roll

De repente
um trovão fora de lugar
e o céu rabisca
sua energia fria


A formiga de plantão avisa:

- vem chuvarada minha gente!

                                                                                 (porque as nuvens
                                                                                  já perderam
                                                                                  a cor!)


                    A chuva


//////////////////////´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´
´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´
///////////////////////////////


                avança em flexas
                regulares
                não pára

                Só se ouvem os pingos duros
                no chão de terra

                o       pac          o       pac

                o       pac          o        pac



                                                Durou bem pouco
                                                o tempo do medo 


O vento lançou seu assovio
fino
que quase se ouvia
pelos túneis...
()()()()()
(dentro da terra)

As estrelas
estouraram no céu
(e a dança raiou
o dia!)

                                                FIM

segunda-feira, 18 de abril de 2011

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Gradiva

2.

Os corpos, sempre os corpos.

As camas baixas de madeira deixam ver as marcas do corpo de relance. O branco se amontoa mais para um lado, nas dobras do lençol.

As mãos que alisam estas dobras, diariamente, procuram a perfeição.

A modelo triste se levanta e quer partir. Nem parece estar cansada.




Estátua. Ela permaneceu assim por longas três ou quatro horas. Em que pensava? Os cílios escuros fazem sombra no branco do rosto oval e dizem de uma superfície de onde os segredos parecem guardados sob os lábios de pedra.
Amanhã, na mesma hora, a jovem mulher retornará para os olhos do pintor.




3.

Quando Matisse descobriu a cadeira prateada, aquela cheia de voltas e encantamentos, comentou com Aragon, o poeta, que encontrara um objeto precioso para o seu trabalho avançar. O objeto, sempre um objeto a cada vez...
Aqui, o olhar desvendava a superfície e muito mais. Ainda algo das dobras.





terça-feira, 12 de abril de 2011

Ainda sobre a Gradiva

4.
A Gradiva anda e ondeia os quadris. O corpo ereto passeia com os pés em arco. Gradiva dançarina? Bailarina de seu tempo?
Gradiva incorpora os movimentos no andar que dança. Os pés soltos em sandálias rasas.
A mulher que dança, segundo o que dizem hoje, move também o olhar que não consegue permanecer parado.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

INGEBORG BACHMANN (1926-1973)


Austrian poet, dramatist, and novelist, a leading voice in post-war German literature. During her lifetime Bachmann, was known first and foremost as a poet, but she ceased to write poetry in the 1960s and focused on prose. In these later works feminist themes came to the fore. Bachmann was a reclusive, but socially engaged writer. Most of the fifties and from 1965 onward, she lived in Rome, where she died in a fire in her apartment.

Tradução de Ingeborg Bachmann: “Un jour viendra”.

Ingeborg Bachmann: “Un jour viendra”.




Perguntam-me, algumas vezes, porque tenho uma ideia, ou melhor, uma visão de um país utópico, de um mundo utópico onde tudo estaria bem e todos os homens seriam bons. Responder a tal questão pode ser paradoxal, pois devemos todos os dias enfrentar os horrores do cotidiano. O que possuímos não vale nada, somos ricos se possuímos alguma coisa que vale mais que toda espécie de bem material. E de minha parte, não creio neste materialismo, não creio nesta sociedade de massa, neste capitalismo, nesta monstruosidade de hoje, no enriquecimento destas pessoas que não têm o direito de enriquecer sobre nossos ombros. Creio, de verdade, em alguma coisa, e essa alguma coisa, eu a nomeio “um dia chegará”. E quem sabe, talvez nunca chegue porque sempre já a destruímos. Há milhares de anos que continuamos a destruí-la. Não acontecerá e, no entanto, acredito nisso, porque se não acredito nisso, então não posso nem mesmo escrever mais.



(Tradução para o francês efetuada por Françoise Rétif, e publicada na Revista Po&sie n. 130. Éditions Belin, 2010.)



Tradução para a língua portuguesa: Solange Rebuzzi

Rio de Janeiro, 7 de abril de 2011.