fotos de arquivo

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Berlim

Desde as pedras no chão
à beira do rio Spree
até a ilha dos museus:
segredos do mundo antigo.

O silêncio caminha
ao lado.
Os olhos giram.
Cores e formas andam nas paredes.

Do lado de fora
os trilhos dos trens.
O muro à toda velocidade.
Na janela gestos loucos.

As obras abrem ruídos.
Canteiros. Caminhões. Andaimes.
Amarelos. Enormes.
Ele fotografa com a mão esquerda.

"Le cahier bleu" de Matisse.
O vazio no canto direito do quadro
(destinado ao vermelho)
acorda o caderno azul no Museum Berggruen.

Verão em Berlim (2011)







sábado, 11 de junho de 2011

Mme. Grès no museu Bourdelle em Paris: exposição

http://dai.ly/eGdidF

Madame Grès, la couture à l'oeuvre au musée Bourdelle

crédits : Henry Clarke / Galliera / ADAGP, Paris 2010
[19/05/2011]
Le musée Galliera inaugure sa programmation hors les murs au musée Bourdelle avec la 1e rétrospective parisienne jamais consacrée à Madame Grès (1903-1993). Maître de la couture vu par ses pairs comme le génie tutélaire de la profession, Madame Grès ne cessa de répéter tout au long de sa vie : « Je voulais être sculpteur. Pour moi, c’est la même chose de travailler le tissu ou la pierre ». Jusqu'au 28 août 2011.

domingo, 5 de junho de 2011

Poema do livro 'Leblon, voz e chão'

 Cavalos
_________________________

Cavalgam a terra              
de pedra e cascalho          
os habitantes do Castelo  
de outrora                        
  
Grandes e diferentes        
apenas no nome               
os cavalos do senhor K    
não não são estranhos.     
 
Do lado de fora do quarto
estava frio                         
A neve na janela               
perambulava                     
 
Qualquer pincenê               
podia tapar-lhe os olhos     
as narinas respiravam         
com dificuldade                  
 
Olga um pouco de lado      
lembrava uma pintura         
renacentista                        
mas aquela mulher podia ser outra qualquer               
 
Aliás agora qualquer riso     
é supérfluo                          
Ruídos de sono acordam a memória         
                  
 
Pela fresta                          
procuro respirar o século que passa         
(eles não mais trotam!)       


                                            Caballos
                                                 __________________________
 
       

      
                                          Cavalgam la tierra                                                                   
                                                de piedra y pedregullo
                                                los habitantes del Castillo
                                                de antaño
  
                                                Grandes y diferentes
                                                sólo en el nombre
                                                los caballos del señor K
                                                no, no son extraños.

                                                 Afuera del cuarto
                                                 estaba frío
                                                 La nieve en la ventana
                                                 deambulaba

                                                 Cualquier pince-nez
                                                 podía taparle los ojos
                                                 las narinas respiraban
                                                 con dificultad

  
                                                Olga, un poco de perfil
                                                recordaba una pintura
                                                renacentista
                                                pero esa mujer podía ser cualquier otra

                                                Inclusive ahora cualquier risa
                                                es superflua
                                                Ruidos de sueño despiertan la memoria
                 
                                                 Por el resquicio
                                                 trato de respirar el siglo que pasa
                                                (ellos ya no trotan!)

                                                                (Em tradução de Ana Lía Torre)






Fragmento do livro ESTRANGEIRA

CARTÕES POSTAIS DIÁRIOS

 
O sol de dezembro não permanece o mesmo sob as árvores. Paris.
Um frio cada vez mais branco encobre o meu pescoço de vento.
As mulheres caminham com os pés gelados. Calças de lã e botas
negras não suavizam as pedras das calçadas. Laure, cabelos negros
escorridos, escreve versos sem rima. Sonha com o verão. Inverno
de 2008.

 Do sol morno no Rio de Janeiro em fios d’água, setembro.
Alexandra ou Regina, vestidas em sandálias baixas, deixam à mostra
os dedos. As unhas dos pés quase sempre esmaltadas.
Não há qualquer pudor em mostrar os dedos. Na claridade oprimida
Joana suporta a cor de uma surpresa. Primavera de 2008.

 No parque de Amsterdã, durante o inverno de 2009, plantaram mudas
de castanheiras para Anne Frank. Na primavera de 1944, ela escrevera
algo assim em seu Diário:... está coberta de folhas a castanheira lá fora,
e está ainda mais bonita que no ano passado.
Nas minhas rugas, um saber não alcança mais as mágoas. E o texto de
Anne Frank ainda se move na paisagem.

 Existe em Buenos Aires um amor pelas letras que facilmente reconheço
em minhas andanças pelas livrarias da cidade. Em julho de 2008,
experimentei uma parte deste amor que se percebe fora dos livros.
Os verbos sussurram no espaço branco da página. Depois de alguns
anos, os risos, os diálogos com o mundo e os gestos de todos nós
naquela noite ressurgem. Sou uma intrusa em meio ao que reclama,
respira e segue.

Cidades argentinas: Buenos Aires e Rosário