sábado, 18 de fevereiro de 2012

Manifesto de uma poeta brasileira

O respeito à Grécia e à humanidade do homem

Temos escutado, lido e visto pela TV as imagens de uma Grécia em destruição.
Quero, em meio ao sofrimento de um povo tão antigo e digno de nosso respeito, manifestar o meu mal estar para dizer o quanto o mundo dos homens se tornou cruel nesta perspectiva ditada pelos "mercados" que, agora, comandam a política, inclusive de povos desenvolvidos e guardiões de nossa história.
Se nos próximos anos deste século não invertermos o pensamento do homem, caminharemos sem as normas da humanidade que sempre ditaram nossos princípios éticos. O que acontece hoje na Grécia foge completamente à ética humana. E, confirma a direção que vem sendo dada pelo mundo financeiro, infelizmente voltado sempre para a ganância e o “crescimento” econômico.
Já esta na hora do homem pensar mais em partilhar e gerir o que ainda temos – em termos de natureza e alimentos – para conseguir, nas próximas décadas, administrar os espaços com a pobreza e os desempregos cada vez mais crescentes.
Somos milhares de pessoas famintas e sem casa. Somos ainda milhares de pessoas sem acesso à educação e leitura. Por que não usamos nossa inteligência nesta direção? Muitos de nós vivem abaixo da linha da pobreza. Outros lutam e morrem, em diferentes línguas, buscando liberdade de expressão. Há, aqui no Brasil e na África, os que vivem de forma absolutamente fora de um mundo civilizado e à margem da cultura.
Eu quero escrever poemas e textos poéticos, mas vejo ao redor cenas impensáveis da crueldade de nossos políticos cada vez mais banais, e assisto também aos ditadores, assumidos ou disfarçados, gerarem recursos para eventos carnavalescos ou esportivos (que supostamente darão a eles alguma coisa?), e não consigo mais escrever versos sobre o dia a dia que me comove e transcende.
Por que os milionários de nosso país não investem em nosso povo? E, em nossa natureza. Todos sabem que precisamos de hospitais! Todos sabem que a natureza tem que ser preservada!  Todos sabem que deve haver controle de agrotóxicos! Todos sabem que deve haver controle nos alimentos que ingerimos diariamente, ou NÃO?
Se quisermos ser um povo respeitado, devemos respeitar primeiro ao nosso próximo.
Esperteza e ganância geram doença e fome!
Aqui ou na Grécia, aqui ou na África, aqui ou nos países de língua árabe devemos acordar e olhar ao redor e trabalhar para um fim comum. Só unidos em um movimento humano conseguiremos desmontar a regra que agora nos comanda; essa da ganância financeira e do gôzo.

Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2012.
Solange Rebuzzi

Nenhum comentário:

Postar um comentário