Somos a favor do porte de livros!
Somos a favor da economia verde!
E vamos dar voz aos nossos índios!

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Você viu?


(Rio de Janeiro, 25 de dezembro de 2012)

Não sei se você viu, mas eu vi:
o chão da Síria ensanguentado e coberto de panos e pedaços de corpos.
Faz tempo que o homem esqueceu os princípios que regem a vida. Não é de hoje que as armas insuflam o poder e reduzem o sentido da vida.
A banalização de tudo e os excessos de tudo tomaram conta da vida do homem. Há tantos carros e desejos de mais... tantas drogas, bebidas, luxo! Nem dá mais para criticar. Cairíamos no ridículo de mostrar algum pudor, e ninguém mais quer saber disso. Até mesmo a internet e seus milhares de iphones e ipads nos cansam imediatamente, logo após serem lançados. Tantos... e tantas coisas em exposição enjoam!
No entanto, a vida é única e de cada um. É agora.
Aqueles corpos danificados, subitamente, por um bombardeio na fila da compra do pão nos chocam tanto ou mais que o tiroteio dos EUA dentro de uma Escola de crianças pequenas.
Terminamos este ano de 2012 com essas cargas.
O que está acontecendo com o homem de nosso tempo?

Que 2013 possa nos dar fôlego e força na caminhada!
Que nossos irmãos, os sírios ou os americanos, consigam agir de fato! Proteger protegendo-se, e viver fora dos circuitos das armas.
As providências pela vida são urgentes.
Aqui no Brasil, as providências humanas necessárias devem visar a ética e a educação de nosso povo antes de tudo.

sábado, 15 de dezembro de 2012





Em minhas mãos...
Conversa com a escritora Solange 
Rebuzzi.
Dia 19 de dezembro às 10h00,
na sala 311 do bloco C do 
Instituto de Letras da UFF.  
Grupo de pesquisa “O passado no
presente: releituras da modernidade”

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Nioque antes da primavera de Francis Ponge (tradução e posfácio de Solange Rebuzzi)

Já está circulando a tradução editada pela Lumme.
Comprar no site da editora: www.lummeeditor.com ou pela livraria cultura http://www.livrariacultura.com.br, nas demais livrarias do país é preciso encomendar.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Roma, verão de 2011





O tempo, agora inserido no vulgar das palavras e das ações ligeiras, também foi fruto do trabalho do homem e o colocou diante do moderno e do contemporâneo, neste abismo que procuramos contornar. Fragmento, Livro das areias, p. 23.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Pierre Bourdieu un hommage: video: Antonio Negri à l’occasion de la sortie de ...

Pierre Bourdieu un hommage: video: Antonio Negri à l’occasion de la sortie de ...: Antonio Negri à l’occasion de la sortie de son ouvrage (avec Michael Hardt) Commonwealth , séminaire «Du public au commun» , 28 nov...

Nota Ficcional (?)
Já faz alguns anos que ouvi algumas histórias a respeito de um primo-irmão de minha avó paterna - a vovó Rosa - que morava na Itália e estava preso por lá em razão de questões políticas. Diziam, naquela época, que ele era um intelectual de esquerda muito inteligente.
Não é difícil na linha imaginária que me dá motivos, também, de escrita encontrar nos traços deste Senhor Negri as feições de outros, tios e primos, descendentes da Itália do Norte.
Se algum dia eu puder encontrá-lo, pessoalmente, devo dizer que sou neta de sua prima Amélia Rosa Negri que nasceu no Brasil.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Recital Caixa Preta no Centro Cultural SP


                   No dia 12/12 no Recital Caixa Preta no CCSP – Centro Cultural São Paulo – serão apresentados os seguintes títulos: 

"Cartas a Vadim Kozovoi" seguido de "A palavras ascendente" e "Depois do Golpe" ensaio, precedido por "O ir-e-vir eterno", de Maurice Blanchot,
Traduzidos por Amanda Mendes Casal & Eclair Antonio Alameida Filho;

“Eu índice n”, conto, único até agora, na produção do poeta E. M. de Melo e Castro. Conto que estava dado como perdido (edição especialíssima com infodesenhos de Eugénia Melo e Castro);

“Cautos Causos" e "Outros Cautos causos”, dois novos livros de Glauco Mattoso;

"Al otro lado del acaso", de José Cardona-Lopez (Edição especial em Espanhol);

"O sonho da insularidade", de Delfín Prats, traduzido por Fábio Aristimunho Vargas;

"Estética como acontecimento", de Daniel Lins;

“Livro das areias”, de Solange Rebuzzi +
“Nioque antes da primavera”, de Francis Ponge, traduzido por ela;

“Da soberba da poesia”, de Marcos Siscar, e "A estranheza-em-comum", de Silvina Rodrigues Lopes;

“Cores para cegos”, Claudio Daniel

"Poemas Míticos”, plaquete de Contador Borges;

“Camafeu escarlate”, de Andréia Carvalho;

“The chair/A cadeira”, plaquete de David Dephy, autor do Leste-europeu, tradução de Fabio Bensoussan;

“Destino: Rua Aurora” e “El Futuro”, livro e plaquete de Alfredo Fressia;

“Gritos, rasgos e rapinas - 23 poemas de Joyce Mansour”, tradução de Eclair Antonio Alameida Filho e prefácio de Claudio Willer;

“Circular” do poeta argentino Mario Arteca, tradução de Ronald Polito;

“Vinil”, de Mario Arteca, tradução de Dirlen Loyola e o Fabrício Gabriel de Souza;

Flor de Lírio”, Adriana Zapparoli;
“El Simultaneismo”, antologia do Grupo Simultanísta de Valência – Espanha (Edição especial em Espanhol).