fotos de arquivo

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Nunca mais

Nunca mais



Sonhei que o mar
                     avançava pela sala
                                             e as pedras
                                                     suportavam

                                                      nossa velhice


Há sinais de peixes
                     no universo?

Um osso mergulhado
              na lacuna do tempo


E as nuvens tão azuis
e as heras tão verdes
                me seguem


Em revoada
os corvos
              anoitecem




(publicado no livro Pó de borboleta, em 2002)
       

Nenhum comentário:

Postar um comentário