segunda-feira, 24 de junho de 2013

Final da tarde

Faz calor em Palermo. Eles dizem que o vento sirocco sopra da África.
Recordo Freud em suas andanças pela Sicilia durante o verano. Ele gostava de vir para esta ponta da bota italiana. Em sua ultima viagem por aqui veio acompanhado da filha Anna.
(Nao é possivel encontrar os acentos neste teclado, e o ritmo da internet continua lento demais apesar de me dizerem no hotel que ela funciona muito bem.)

O sol desaparece depois das 21.30 horas. Mas ainda encontro força nas pernas para olhar e olhar muitas vezes estas pequeninas ruas de pedra e varandas, nas quais as pessoas mantem o habito de se sentar na porta das casas, e procurar a brisa do mar que sopra quando bem entende, e desaparece quase tao rapido quanto os passaros que sobrevoam as cupulas da igrejas.




Nenhum comentário:

Postar um comentário