Somos a favor do porte de livros!
Somos a favor da economia verde!
E vamos dar voz aos nossos índios!

domingo, 7 de julho de 2013

No ponto do ônibus

A chinesa de saia rendada falava no celular em chinês. A negra de peruca lia gibi. Dois homens na esquina se atracavam. O carro de teto solar olhava..
O ônibus demorou a passar e ainda atrasou dez minutos.
Fazia um calor teatral.  No arrondissement 18 tudo parecia diferente. Esperamos e esperamos o ônibus que demorou demais. A chinesa desistiu e partiu. A negra senhora esperou com calma.
O carro passou assim como outros passantes da redondeza. Esperamos...
Em frente havia um prédio tombado. Era um antigo cinema (Louxor).
Voltávamos da casa de George Sand, onde um jardim florido havia nos protegido do calor.



Nenhum comentário:

Postar um comentário