segunda-feira, 30 de junho de 2014

Copa do mundo no Brasil: 7


Calor infernal na cidade. Copa do mundo.

Com o riso colocado no olhar a mulher suspende o braço esquerdo e segura o chapéu antes que ele possa voar. No instante seguinte o dia muda de cor. Nuvens densas e novas arrancam folhas de papel do caderno verde que, exposto ao sol, até então não temia o vento morno da manhã. A mulher com o riso colocado ao redor suspende o pensamento.

Reconhece estrangeiros-andarilhos

crianças cansadas  

passeios adultos

jipes camuflados.

Calor!

e... o dia desaba no mar.

 

Rio de Janeiro, 30 de junho de 2014.

 

domingo, 29 de junho de 2014

Copa do mundo no Brasil: 6


32 graus em Fortaleza - Ceará


Faltam sombreros na cabeça dos torcedores no jogo Holanda x México.
Houve parada técnica para hidratar os jogadores antes de terminar o primeiro tempo.
O mais difícil parece ser sobreviver ao calor...
E o risco maior é de insolação e desidratação geral.

No segundo tempo, nova parada técnica para hidratação.
Os jogadores travam a batalha final exaustos.

Mas, de quem foi a ideia de fazer jogos na Copa do mundo no Brasil às 13h00 ?

 

sábado, 28 de junho de 2014

Copa do mundo no Brasil: 5

Bate coração.
PULSA!

                              (im)pulsão lírica!

1x1
Brasil e Chile

pulsa...

Julius Caesar!


                               (vencemos nos pênaltis) 

domingo, 22 de junho de 2014

Copa do mundo no Brasil: 4


Mini crônica de domingo
 
...e tudo continua em ritmo de Copa, ou melhor, com os turistas empurrando malas de rodinhas para todos os lados, e os bares da zona sul cheios de jovens torcedores de múltiplas línguas e costumes. Muitos estrangeiros reclamam do preço alto de tudo. A Copa do mundo manda de volta pra casa times e jogadores europeus que eram considerados favoritos. Mas, isso faz parte do jogo!
Porém, no Brasil começa uma outra temporada: a dos candidatos políticos. E na mistura de cores  na tv assistimos, em curtos intervalos, tanto as imagens de jogadores seminus posando em algumas propagandas como alguns candidatos que se apresentam contra ou a favor do governo atual. Um verdadeiro circo, e situações que passeiam entre o cômico e o trágico.
Desisto de acompanhar a transmissão dos jogos da Copa. Não me interessa. Às vezes, em um jogo ou outro sou levada a ver uma bela jogada ou a comemoração de um gol em cambalhota, por exemplo.
Mas meu coração bate forte para muitas outras situações do mundo. O tempo urge!
Se, conforme sabemos, as peladas - em chão de barro - fazem parte do cenário brasileiro, precisamos de mais do que isso para mover nossos passos e encenar, aqui, muito mais do que uma copa do Mundo.
 
Acorda Brasil!

 Rio de Janeiro, 22 de junho de 2014.

 

 

 

 

terça-feira, 17 de junho de 2014

Boletim n. 3 - Sociedade de Leitores do Grupo Francis Ponge - 2014



No boletim do Grupo Francis Ponge encontram-se as notícias sobre as duas traduções de Nioque de l'avant-printemps. Uma delas realizada na Itália (2013) por Michele Zaffarano, e a outra no Brasil (2012) por Solange Rebuzzi. Ambas bilíngues.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Copa do mundo no Brasil: 3


Jogos e manifestações




1.


No primeiro dia da 20 Copa do mundo assistimos, também, a inúmeras manifestações.


Duas jornalistas da CNN ficam feridas no confronto entre manifestantes e policiais em S.Paulo.


Cenas chocantes de violência contra os manifestantes são mostradas na tela da Band.


No jogo do Brasil, o gol contra do atacante brasileiro esfria os torcedores brasileiros.


Os aeronautas no Rio de Janeiro fazem greve no aeroporto pedindo melhores salários.


O clima da Copa surpreende com uma mistura nunca vista antes, nem pensada.


No segundo tempo, o jogo é tenso:


1X1 Brasil e Croácia.




Independente do placar deste jogo, foi dada a largada do que é, hoje, o cenário desta Copa !!!




2.


Difícil, difícil...
Finalmente, acorda a torcida brasileira.


...”e foi falta no Neymar!”



3.

Falta novamente, agora na área: pênalti.
Gol do Brasil.
Neymar! Neymar!
Oscar!

Canta Brasil.
"Mas, foi pênalti?"
- Nem aqui nem na China...dizem alguns!


  


Rio, 12 de junho de 2014.

sábado, 7 de junho de 2014

Copa do Mundo no Brasil: 2

Areias cariocas


À noite faz frio nas ruas da cidade.

Um frio úmido.
Um frio estranho.
Em Manaus faz um calor enorme.
Um calor úmido.
Calor de floresta.
No horizonte das praias de Ipanema e Leblon
nasce um navio de guerra.
Um navio estranho.
Jogadores holandeses circulam nas areias.
Areias cariocas.
Faz frio na alma do Rio.
Faz falta a esperança do povo.


(Um frio.
Um fio.
Por um triz
o Rio
não ri mais)!



                                    Rio de Janeiro, 7 de junho de 2014.

domingo, 1 de junho de 2014

Copa do Mundo no Brasil : 1


O Brasil mudou

 

Faltam poucos dias para o início da Copa do Mundo no Brasil. Olho para todos os lados buscando um traço que traduza alguma alegria no nosso povo e confirme que estamos mesmo às vésperas da Copa do Mundo, aqui no Rio de Janeiro, mas não encontro. Não só as obras da cidade estão pelo meio do caminho, como as pessoas não acreditam mais em nada. Parece que vai ser difícil acordar o nosso “gigante pela própria natureza” fazendo-o cantar e vibrar como em outras Copas.

As matérias jornalísticas e televisivas não são suficientes para convencer mais ninguém. Vibrar não é mais tão fácil. E muito menos mostrar ao mundo que somos ou estamos felizes com a vida ao redor.

O Brasil mudou, sim, e neste processo quem precisa mesmo acordar são os nossos governantes, os dirigentes que não inspiram confiança em mais ninguém.

Com certeza, chegada a hora dos jogos, vamos torcer e cantar. Mas, desta vez será diferente. Não vivemos mais na alienação de antigamente. Cantaremos com os outros povos, com os muitos jogos, cantaremos pelo esporte e pelas diferenças humanas! E não só pelo Brasil!

Um conjunto de ações impostas ao povo com os preparativos para a  Copa, o que desgostou imensamente a nossa população, acende o desrespeito que continua imperando. Nada é dito de forma séria e convincente. Atenção, meus caros visitantes, o Brasil é grande e belo. Sua população é generosa. Mas, o sistema que nos governa é podre! (E não é de agora).

 

 

                                                                                Rio de Janeiro, 1 de junho de 2014.