domingo, 4 de outubro de 2015

Cartão postal (1)

A guerra inunda e desmonta cidades e planícies.

O cenário no fio do tempo se desconstrói.

Esta terra é nômade?

No exílio é preciso reaprender a falar.

............................................................


A mulher escuta espantada as diferentes línguas

que circulam no espaço

(os lençóis brancos estão desfeitos em cima da cama)

e as mãos procuram os teclados com urgência.

Procuram o traço sensível da humanidade.


Ela disse andando dentro de casa:

"as guerras são sinistras"!

A voz de Anna Akhmatova ressoa de algum lugar.


As rotas não são mais as mesmas.

Eles a olham como estrangeiros.

Ela não se reconhece nesses olhares.


(Mas as flores de jasmim na primavera perfumam o nosso bairro).


Nenhum comentário:

Postar um comentário