terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Poema inédito, 2016

  
O movimento da escrita
e os armários da memória plenos
As mãos abrem caminhos
Na impressão da fotografia
o gesto antigo de minha mãe
A cidade respira mal
De um golpe só
vemos a vida veloz
… fugir

(Estou em casa
diante desta tela água
longeperto de outros mundos)

A palavra vem
neste espaço dilatado
Com calor
R e s p i ro
Um simples sopro
poesia



Rio, 5 de janeiro de 2016.


Nenhum comentário:

Postar um comentário