terça-feira, 8 de março de 2016

Texto escrito no verão de 2016

E os imigrantes ...

Leio com atenção as notícias mais recentes sobre as decisões políticas tomadas a respeito deste assunto tão comovente quanto constrangedor: para onde enviar os imigrantes sírios, afegãos, etc.
Não podemos simplesmente guardá-los em armários, fora do mundo, escondendo as chaves.
A tensão cresce, todos os dias mais um pouco, nas áreas mais afetadas pelo movimento de homens e mulheres que chegam de distintos países destruídos pelas guerras causadas, também, por vários países europeus.
Vivemos Tempos nunca imaginados!

Aqui do Brasil, procuro não me desviar da questão apesar dos bombardeios de ignorâncias e barbáries que correm nos noticiários, sempre apontando para os políticos e os homens que se venderam aos (ou compraram os) políticos; corrupção em demasia!
O calor continua insistindo neste final de verão como um som surdo, que não nos deixa em nenhum momento do dia. Talvez, para lembrar a questão deixada de lado sobre os graves problemas do aquecimento global, que visualizamos mas não damos espaço e nem tomamos as providências necessárias, preferindo a alienação. Estou me referindo aos cuidados com a natureza tanto quanto com os desmatamentos da Amazônia, com a limpeza das cidades grandes (dos bueiros) e dos rios, com os excessos de sacos plásticos lançados no mar, com os pesticidas que nos habitam ao serem despejados na terra fértil e nos alimentos que consumimos. E, até mesmo com os mosquitos fatais que invadem e adoecem a nossa cidade, dita Maravilhosa.
Ah, são tantas as questões sérias! No entanto, passamos a maior parte de nossas vidas ouvindo as bobagens afirmadas pelos homens que não têm pensamento.
Não posso crer que em pleno século XXI o nosso potente país ainda esteja comprometido apenas com os subornos!

Volto ao tema mais grave ainda, ao tema histórico de nossos dias:
Como vamos dar conta, caso seja, de fato, o interesse humano do momento, de tantas vidas e de tantas crianças lançadas ao léu (interrogação).

S.R

Rio de Janeiro, final de verão de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário