fotos de arquivo

terça-feira, 24 de maio de 2016

Fábula (2) de Régis Bonvicino

A borboleta é uma ficção às avessas
raios atravessam as letras
chove uma chuva seca
o brinco-de-princesa é uma realidade extra

o ipê-amarelo é uma palavra déspota
sem cheiro
a dália-gigante é agora uma flor sem pétalas
a alga polui o lago em abstrato

não há saídas para a névoa
a palavra morre de véspera
a borboleta se transforma em pedra
sua asa, no entanto, se projeta



Poema do livro Estado Crítico, p. 49.

Nenhum comentário:

Postar um comentário