fotos de arquivo

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

sábado, 29 de outubro de 2016

Crônica de viagem - a caminho de Veneza

O trem partiu atrasado. Mais de uma hora de atraso. Estação lotada. Quase todos em pé aguardavam.
Dentro do vagão havia espaço pra todos. Sentei ao lado de um jovem indiano que viajava com a mulher e a filha, quase um bebê. Depois de alguns minutos de silêncio, escutei os sons da quinta língua mais falada no mundo: o hindi
Indaguei em inglês onde moravam. Ouvi que viviam na Suécia há alguns anos.
Bem próximo a nós estava um casal de portugueses, que passou a participar da conversa com interesse afirmando: nós vivemos em Portugal, ao norte de Lisboa. 
Os jovens italianos saem do país em busca de trabalho. Isto me foi dito, em outro momento, por uma italiana. Alguns escolhem ir para a Alemanha. Mas, também vão para a Suécia e o Canadá. 

Indianos vão pra Suécia.
Italianos para o Canadá e a Suécia ou a Alemanha.
Sírios para a Alemanha e a Inglaterra. 

Muitos jovens circulam em um canal aberto pelo desejo de estudar, e aprimoram a língua que precisam dominar para conseguir trabalhar em algum lugar do mundo. 
Li na internet que o inglês não é mais a língua dominante. O espanhol é mais falado no mundo que o inglês. 
O encantador foi descobrir que o português é a sexta língua mais falada no mundo, logo depois do hindi.



Rio de Janeiro, 29.10.2016

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Crônica de viagem - a caminho do aeroporto de Roma

Conheci a taxista romena em Roma. A caminho do aeroporto a conversa descortinou a vida desta mulher que se disse realizada. Na infância foi obrigada pelo regime do seu país, na época, a estudar russo. Tempo duro. Infância difícil. Desde aí, nasceu o desejo de partir e viver em outro lugar do mundo quando crescesse. Realizou o desejo ainda jovem, quando foi pra Alemanha, roteiro de tantos ainda hoje. Depois, deu o passo em direção à Itália onde mora há mais de quinze anos. 
O surpreendente para mim foi ouvir que aprendeu italiano sozinha, com a leitura da literatura italiana. Intrigada comentou que os verbos italianos são conjugados de forma estranha porque (no presente) terminam em "amo". Exemplificando: "andiamo, sappiamo, vediamo"/ "andamos, sabemos, vemos" etc. E alegre festejava seu perfeito sotaque, e comemorava os amigos que fez ao longo do tempo. Com quarenta e poucos anos, com certeza, essa mulher tem o que comemorar! Trabalho que lhe agrada, uma língua que dominou a partir das leituras, uma liberdade que lhe comove nas lembranças mais difíceis pelo que vê ao redor, hoje. E, principalmente, o respeito que mostra ter no pensamento em direção ao próximo.
Na Europa vive-se hoje, sem escolha, um período que se impõe com a chegada dos imigrantes. Todos dizem estar dispostos a partilhar, mas no dia a dia as dificuldades são inúmeras. Assim como as críticas aos países vizinhos.
Encontrei uma estrangeira que festeja sua escolha singular.

Rio de Janeiro, 28.10.2016. 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Escrevo a caminho de Roma

O trem desliza lento ao lado do mar de Veneza.
O silêncio se impõe. O dia cinza frio outonal.
Estamos sentados um diante do outro.
Revi Veneza em um final de semana.
Dentro do vaporeto as línguas batiam o som.
Chineses de negro. Europeus de jeans.

O trem desliza em alta velocidade.
O silêncio do campo corre ao lado.
Padova apenas visível na estação.
Verdes múltiplos. Verdes vivos.
As montanhas fumaçam. Longe.
Desconhecidas paisagens.

Desliza no campo em meio a névoa
o trem italiano. Pássaro sem asa.
Sobrevoa o verde, Verdi.
Não há mais o longe.
Mínimas casas colorem bem de perto
o olhar curioso.

Bologna entre os trilhos.
Do not cross the railway lines.
Paredes cheias de grafites. Casas
de tijolinhos. Janelas verdes.
O cinza corre alto no céu.
Pássaro sem asa.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Livraria de Bolonha - Mondadori store


Sigo ao redor dos livros, sim.
Visito livrarias e bibliotecas com um grande entusiasmo!

domingo, 16 de outubro de 2016

Escrevo de Bologna

Todos estranham os turistas. Os próprios turistas se estranham.
Viajantes de tantas línguas se entreolham.
Viagem vem do latim viaticu e do provençal viatge.

Hoje dia 16 de outubro de 2016.

sábado, 15 de outubro de 2016

Estação de trem de Florença - Santa Maria Novella



A estação de Florença ainda é a mesma. Centenas de passageiros se aglomeram em pé, pois não há onde sentar e os trens atrasam sempre quando partem de Nápoles.
Tudo anda à moda italiana, uma confusione que vai se organizando devagar.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Biblioteca San Lorenzo - Florença




A belíssima sala  de leitura foi projetada por Michelângelo Buonarroti.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Ponte Vecchio - entardecer


Foto de José Eduardo Barros. Florença, 12.10.2016.

Florença, 12 de outubro de 2016

A visão embaçada pelas pedras gastas.
Calçadas toscas de muitas cores amparam os corpos.
Não somos os mesmos.
Há mulheres e crianças de colo envoltas em panos de algodão.
Indianos e chineses não se misturam.
Os americanos parecem desconhecer os códigos dos latinos.
As minhas mãos procuraram o silêncio da escrita.


Ontem o caminho se fazia de imediato.
As ruas apresentavam o mundo na diversidade deste tempo.
Não há critério de segurança.
Armas e soldados se espalham.
Alguns adultos dizem ter medo.
Homens de todas as idades se confundem.
As muitas raças não se misturam.


Hoje o dia foi longo.
Os joelhos sofreram os desvãos das horas.
Procuro o silêncio da página branca.


terça-feira, 11 de outubro de 2016

Um pouco de humor e estranheza

1.
Chegar em Florença e encontrar a Piazza della Signoria lotada de turistas falando alto em muitas línguas, e quase não reconhecer o lugar.
Permaneci paralisada. Por alguns instantes fiquei surda.
Aos poucos os ruídos firmaram um roteiro e girei em torno da catedral, uma vez e outra vez.
As cenas de movimentos leves pareciam cinema mudo.
Alguns adolescentes posavam. Os chineses andavam ligeiro e em bandos. Famílias europeias não sentiam frio. Fazia 12 graus.



2.
Girando e girando de uma praça a outra. Ruas abarrotadas. Uma mendiga ajoelhada nada pedia. Um corpo enorme tomava o espaço da calçada na rua Calzaiuoli. Ninguém sequer a olhava.
A noite invadia as horas.
Sinos tocavam!

San Gimignano - outono na Toscana




domingo, 9 de outubro de 2016

Catedral de Orvieto



A catedral de Orvieto é magnifica. Impressionantes afrescos de Beato Angélico e de Signorelli estabelecem com os visitantes um diálogo sobrenatural que passa a habitar nosso imaginário. Freud se encantava com estes afrescos em suas viagens  à Itália! 

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Assisi



Igreja de San Stefano



Assis

Os sinos balançam as horas desta manhã de outubro
São 12.00 horas !
Turistas andam em estreitas ruas de pés cansados e gastas pedras
Francisco de Assis está em toda parte
Caminha junto aos franciscanos
que se misturam a todos nós





Benozzo Gozzoli no Complesso Museale di San Francesco




Montefalco, Igreja de S. Francisco 1338.

Fotos dentro do Museu. Pinturas de autores
 desconhecidos.


terça-feira, 4 de outubro de 2016